h1

Shopping: Brasil x França

août 14, 2009

OU: O Prazer de comprar barato

Long story short, a diferença mais gritante, segundo eu, é que a brasileira gosta de comprar coisa cara. A Francesa gosta de comprar coisas baratas. Eu sei que parece estranho falar uma coisa dessas, mas dê um segundo de reflexão e verá que não é. Quantas pessoas você já não ouviu enchendo a boca pra elogiar alguma coisa dizendo que « é lindo, foi caríssimo! » ou então « é tal marca, chiquérrimo ». A valorização pessoal pelo consumo é alguma coisa bem mais visível o Brasil.

prix
Na França, o máximo do máximo é comprar barato. Primeiro, pelo costume de ver, 3 vezes ao ano, o preço de tudo que se vende o país cair pela metade (pra mais). Daí sempre fica um gostinho de vitória na boca de quem conseguiu comprar o que queria sem pagar o preção. Segundo, e essa é uma tendência das mais legais na Europa, é que a maioria das lojas está apostando na idéia de que é possível fazer bom e barato… mas MUITO barato. Começa com H&M, IKEA, e vai se expandindo a muitas outras lojas imitando o conceito. Como IKEA é um exemplo de comércio contemporâneo, é claro que foi copiada em vários países. A Tok&Stock foi a primeira a tentar, anos atrás, mas já se perdeu: não se pode dizer que o que se encontra lá é realmente barato. Daí chegou a Etna, já mais resolvida a manter o conceito. Mas vou dizer: é sem comparação! Ou vai me dizer que com o equivalente a 500€ alguém mobília uma casa* aqui no Brasil? Até Zara, que é nossa C&A, teve uma imagem « encarecida » para atingir o público brasileiro, que dá pouco valor a coisas muito baratas.
Por último, tem outra: como até as coisas mais « top de linha » como produtos Chanel, Dior, Stark etc… são finalmente acessíveis para bastante gente (por serem nacionais, não serem tão caros assim, ou por ter bastante gente com poder aquisitivo pra levar), o valor de luxo é elevado ao próximo estágio: peças únicas, difíceis de serem conseguidas.
Mas isso não quer dizer estilismo exclusivo ou tiragens limitadas, não! Isso quer dizer muito vintage, muito garimpo, muitos « second hand », muitas antiguidades, muito artesanato. Há uma rede nacional de ajuda social que propõe de recolher qualquer roupa ou móvel que queiramos doar e revendê-los por 0,50€. Com o intuito de ajudar a população carente (o que funciona). Vou falar que o negócio bomba!! Alguns pontos de venda (a parada chama Emmaüs) em algumas cidades mais badaladas são verdadeiros tesouros para a galera mais Hype: Chique é aquele que desempoeira a bolsa mais anachrônica de algum sótão!
Valores diferentes…

Esse post vem com tom de desapontamento… perceber que as coisas no Brasil são mais caras que na França dói. Eu fico aqui achando que se a Havaianas não fosse brasileira, um par de chinelos teria continuado a custar aqueles 6 reais de quando a gente era pequena…:/

*Tá bom, casa, que eu digo é um apê com 1 quarto…

Laisser un commentaire

Entrez vos coordonnées ci-dessous ou cliquez sur une icône pour vous connecter:

Logo WordPress.com

Vous commentez à l'aide de votre compte WordPress.com. Déconnexion / Changer )

Image Twitter

Vous commentez à l'aide de votre compte Twitter. Déconnexion / Changer )

Photo Facebook

Vous commentez à l'aide de votre compte Facebook. Déconnexion / Changer )

Photo Google+

Vous commentez à l'aide de votre compte Google+. Déconnexion / Changer )

Connexion à %s

%d blogueurs aiment cette page :