h1

Sequelas do nomadismo

décembre 20, 2008

Em Marrocos, mars-08Em primeiro lugar, a falta do trema do título se deve à falta dessa opção do meu teclado alemão. Get used to it.

En segundo lugar, segura aí que esse vai ser longo…

Agora vai: o motivo do post de hoje, é que fui indicada/citada/chamada (sei lá como fala) para respoder/publicar/seguir (também não sei como fala) um MEME. A autora do pedido foi uma pessoa com que tem sido muito querida, e na hora sabia que iria responder positivo. Só um probleminha…. eu não sei o que é um meme… Reli 10 vezes a mensagem tentando interpretar possíveis erros de digitação: un même (comme un pareil), une mémé (vovozinha), um me-me, como eu-eu… Sei lá… Nada fazia sentido no contexto até que eu tive que aceitar que tá aí mais uma coisa em português que de tão óbvia ninguém se dá o trabalho de explicar… e que eu nunca ouvi na vida.

Tem milhaaaares de coisinhas assim. Eu sei que minha história pessoal não interessa ninguém, mas o fato é que eu nasci em um país, aprendi as primeiras palavrinhas de nenê e já me mudei para outro, onde aprendi a falar direito e ler/escrever. Por isso quando me perguntam qual é minha língua mãe, de verdade, não sei qual é a resposta mais pertinente. Sou bilíngue (o chato que reparou no trema de novo, faz favor de se retirar, por favor) desde de que me conheço como gente. E não vejo mérito nenhum nisso, já que não foi fruto de esforço ou vontade minha, mas só foi porque foi. Sorte como dirão alguns. É. O fato é que dos meus primeiros anos de bebê no meu país natal, guardei muitas lembranças. A vantagem de sequencias da vida tão marcadas é que lembramos de muito mais coisa, eu acho. Depois que me mudei, fiquei aqui na França até meus 10 anos, e cresci com essa outra cultura durante toda a minha infância. Depois voltei para o Brasil. nessa, minhas referências já estavam caducas. As coisas de que me lembrava estavam ultrapassadas, e as novas coisas « do momento » não evocavam nada para mim. Mas me readaptei. Até porque tive mais 8 anos para tal. E o fiz: aperfeiçoei meu português, incorporei cultura. Mas acabei voltando, e cá estou até hoje. Na volta, mais uma vez, minhas memórias de infância não encontraram eco em nenhum lugar. Até os amigos que tinha feito seguiram um caminho tão diferente que ficava difícil se identificar.

Tudo isso pra dizer, que com essa história de dois países, duas línguas, duas culturas, dá pra bleffar (se diz, isso?) muita gente, mas o fato é que eu « pulei » as coisas mais básicas, tanto de um país como de outro. Músicas, programas de TV, modas, expressões, até propagandas (a galera gosta de relembrar propagandas, repararam?).

Desde pequena, usamos, na minha família essa dupla cultura como vantagem: precisa falar alguma coisa confidencial? fala a outra língua (no meu caso, meus pais falavam inglês… daí quando aprendi, inventaram uma lingua própria, que depois vim a descobrir que era a língua do P). E outra coisa: a francesada adooora cultivar o mito da « brasileira », e é verdade que meu rosto responde até que bem. No Brasil, o lado francês não escapa nunca, porque pra brasileiro-assistidor-de-rede-globo-e-leitor-de-caras (vai falar: tem muitos!) ser francesa é tããão chique!!!

Sempre sou a estrangeira, tanto de um lado como outro. Não é que reclamo, mas justifico assim minha alienação, e caproveito ra perguntar: O QUE É UM MEME?Olha eu ai! Ait Bouguemez, Marrocos

4 commentaires

  1. Coloquei uma interpretação livre de « meme » para você ler! Vai lá no meu blog… http://umafabulasobreavaidade.wordpress.com/2008/12/19/meme-indicado-pela-jud/#comments

    Abraço!


  2. Pensando melhor, vou reproduzir aqui o que escrevi lá!

    Vai:

    Mary,

    Amei o fato de você ter entrado no jogo. Então, a tradução de “meme” eu também não sei exatamente qual é, mas, se você se levar pelas considerações de Richard Dawkins sobre o que siginifica um “meme”, até que se encaixa! hauahauha

    Por Richard Dawkins, então, um “meme” é o irmão gêmio do “gene” só que para a memória. Um meme é uma fração de memória que vai se propagar por gerações. Essa fração podem ser idéias ou partes de idéias, línguas, sons, desenhos, capacidades, valores estéticos e morais, ou qualquer outra coisa que possa ser aprendida facilmente e transmitida enquanto unidade autônoma. Entende?
    Exemplo: É como uma palavra, que seu pai fala muito, e você vai tomar para si e falar muito também. Depois, essa palavra será muito falada por um dos seus filhos e por aí vai… Fui longe demais? hauhauhauha

    Lembrei do Richard Dawkins porque adoro tudo que ele fala e escreve. Inclusive, tou aqui me preparando para começar a ler “Deus – Um Delírio”.

    Ou seja, esse meme é uma idéia que se propaga por nós blogueiras. Com ele, conhecemos um pouco mais de nossas colegas da blogosfera… Conhecemos coisas que acho que nunca iremos esquecer!

    Bem… Relamente não sei se é realmente isso que significa, mas se encaixa.
    😉
    bjosss


  3. Ah.. Esqueci. O interessante é que essa palavra lhe rendeu um post meio… equivocado! hauhau Na verdade, a palavra MEME não é uma palavra incorporada à língua portuguesa. Ela foi criada para definir esse tipo de « jogo cibernético », mas não tem exatamente uma tradução. A única tradução real da palavra MEME é essa que coloquei pra você, cunhada por Richard.
    😉


  4. Parfaite,
    amei esse seu post. Vc chamou atenção para vários detalhes que as pessoas não percebem por viverem numa mesma cidade quase a vida toda. No seu caso, ficou um pouco mais complicado por ser mudança de país. Eu também passei a minha vida mudando de amigos – e sotaque – aqui dentro do Brasil. Então consigo entender exatamente o que vc quis dizer.
    Ah, quanto ao trema, esqueça. Desde o dia 1º esse importante acento foi abolido da nossa língua, resultado de uma unificação da ortografia entre todos os países de língua portuguesa. Detestei, claro. Fico imaginando se um estrangeiro pode compreender que « consequente » e « quente » são pronunciados de maneiras diferentes se são escritas do mesmo jeito. Ai, ai…Fazer o quê? (ainda não sei se continua com acento).
    Beijos.
    Val



Laisser un commentaire

Entrez vos coordonnées ci-dessous ou cliquez sur une icône pour vous connecter:

Logo WordPress.com

Vous commentez à l'aide de votre compte WordPress.com. Déconnexion / Changer )

Image Twitter

Vous commentez à l'aide de votre compte Twitter. Déconnexion / Changer )

Photo Facebook

Vous commentez à l'aide de votre compte Facebook. Déconnexion / Changer )

Photo Google+

Vous commentez à l'aide de votre compte Google+. Déconnexion / Changer )

Connexion à %s

%d blogueurs aiment cette page :